Luta Contra a Corrupção Imobiliária

por FLM
864 visualizações

A cidade de São Paulo possui 293 mil domicílios vazios. É um município de São Bernardo do Campo dentro de São Paulo sem nenhum morador. Possui centenas, senão milhares de terrenos, galpões, prédios, comerciais, mansões, antigos comércios, escritórios, salas de serviços, hospitais e escolas abandonadas. Ou seja, metade do território da cidade está na mão da corrupção imobiliária.

São Paulo possui a extensão de 1.522 km². Nos padrões internacionais poderia acomodar sua população em apenas 750 km². É nesse território que está a maior corrupção imobiliária. Aqueles que conseguem se apropriar de excedentes sociais do trabalho compram imóveis para ganhar mais. E ficam milionários sem realizar nenhum esforço. Deixam a propriedade abandonada sem função social, se valorizando. E fora da lei.

Um exemplo revelador é o edifício Prestes Maia. No centro da cidade, abandonado há 26 anos, não tinha função social. Foi ocupado por famílias sem-teto que higienizaram o prédio. Retiraram mais de 300 caminhões de lixo. Drenaram a água e esgoto do subsolo. E querem o imóvel para moradia definitiva.

Na primeira negociação, em dezembro de 2001, com o proprietário, ele queria R$ 3,580 milhões. Valor avaliado pelo perito da Caixa Econômica Federal. Hoje, o perito do judiciário avalia a propriedade em R$ 25 milhões. Isso se chama corrupção imobiliária. Vai receber sem realizar nenhum trabalho. É enriquecimento sem causa. É imoral indenizar esse injusto possuidor.

Essa prática em toda cidade impede que milhões de pessoas tenham sua habitação. E cria um caos social imenso em São Paulo. Vamos seguir os ensinamentos de Nova York: lá as propriedades abandonadas e/ou inadimplentes foram confiscadas. A Prefeitura construiu mais de 250 mil moradias populares em 10 anos.

QUEM NÃO LUTA, TÁ MORTO!!!

You may also like

1 comentário

Silvana vaz 30 de novembro de 2021 - 04:22

Apoio moradores sem teto de baixa renda sem condições de pagar aluguel 🙏👊
Tem varios imóveis abandonados enquanto várias famílias vivem em indigência.

Responder

Deixe um Comentário